30 de mar de 2014

Os impostores e seus títulos.


Não gosto de pessoas oportunistas, as que tentam nos engabelar e, demonstram o que na verdade nunca foram; entretanto, ocultam uma realidade bem diferente. Não gosto de pessoas que se auto-intitulam, não dou a mínima importância aos títulos. O que conta e soma para mim, é o caráter. Prefiro um relacionamento seja ele de amizade, afetivo ou profissional, baseado na sinceridade. Não dou valor aos rótulos, prefiro viver uma dura realidade, que a doce ilusão de uma farsa. Não sou exigente, sou gente e, desejo assim ser tratada, com respeito e dignidade. Sou leal, humana, compreensiva e muito gentil, mas não suporto e, repugno a hipocrisia. Os rótulos enfeitam as embalagens, todavia não condizem ao conteúdo, com as pessoas ocorre o mesmo. Prefiro viver a intensidade de um relacionamento sem ostentação e mentiras, que uma presunção infundada. Mais me vale a qualidade mesmo que pouca, que a quantidade sem serventia.

(Cristina Deutsch)

10 de abr de 2013

Tudo passa...



“És precária e veloz, Felicidade. Custa a vir, e quando vens, não te demoras. Foste tu que ensinaste aos homens que havia tempo, e para te medir, se inventaram as horas.
Felicidade és coisa estranha e dolorosa:
Fizeste para sempre a vida ficar triste.
Porque um dia se vê que as horas todas passam e um tempo despovoado e profundo persiste"
(Cecília Meireles)



Felicidade é algo que dá e passa...
Ninguém é feliz por 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 48 segundos aproximadamente.
Posso esta explodindo de felicidade e receber uma noticia desagradável no momento, e tudo parecer desabar...
Vivemos de momento, fases alegres, tristes, felizes... Mas jamais infelizes, por que não existem razões para sermos infelizes, o que acontece é que a vida é bela como uma rosa, mas também tem lá seus espinhos. Tristeza, dor, angustia, também passa... Tudo na vida passa... Temos que nos acostumar e não fazer dos problemas o fim de tudo...
Se encontrar uma razão para estar triste, procure outra para estar feliz, e assim vamos vencendo as dificuldades... Não podemos nos deixar abater pelos declínios da vida... Difícil, não é mesmo? Mas o segredo está na dificuldade, sem dificuldade não há superação, mas para que aja superação temos que nos nutrir de coragem e amor próprio... Temos que querer, nos permitir...
Ao em vez de propagar aos quatro ventos que sua vida é uma “merda”, procure entender e saber o porquê de esta passando por determinada situação, comece por se questionar:

  •  Por que minha vida esta assim?
  •   Até que ponto eu fui responsável por isso?
  •  O que devo fazer para mudar essa situação?
  • Se eu sou o responsável o que preciso fazer?
  • E o que devo fazer para que eu me sinta melhor, e supere tudo isso e possa prosseguir daqui pra frente?
Shakespeare disse em sua sabia filosofia: “Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.”
Faça um curativo em suas feridas, que a dor vai passar...

8 de abr de 2013

Alienação Parental



Há quem diga que vivemos em uma nova era, mas em uma era irracional e insensata...
Eu não sou um bom exemplo para “seu ninguém”, mas conheço pessoas que são e foram ótimos exemplos para mim... O que me tornei de ruim hoje não foi em base da minha criação, meus pais sempre me ensinaram os valores da vida, os princípios, respeito.
Sou filha de pais separados, e desde criança isso nunca afetou meu desenvolvimento moral e social, meus pais sempre se respeitavam e me respeitavam dando para mim uma estrutura familiar com ética. Hoje o que vemos na maioria das vezes são mães falando mal do pai para seus filhos e assim vice versa... Um transtorno moral e psíquico... Suas frustrações, ira, descontentamento sendo despejado nos filhos sem nenhum pudor... Um verdadeiro incentivo de falta de caráter e personalidade, fazendo com que os mesmo passem a sentir o que eles sentem, vendendo uma imagem errônea devido ao fato de seu casamento não ter dado certo.
Suas diferenças e desacordos deveriam ser resolvidos entre eles, mas na maioria das vezes isso não acontece. Então colocar os filhos contra o pai ou a mãe parece louvável as sua vingança. Dá-se por vencidos quando os filhos acatam suas opiniões absurdas, e ainda comemoram como se o incentivo fossem eles terem passados no vestibular: Um frevo da imoralidade infantil e irresponsável.
E o que dizer de pais que não educam filhos, mas sim os compram? Compram dando-lhes do bom e do melhor sem mostra-lhes o verdadeiro valor de se conquistar algo, aplaudem seus comportamentos vulgar, baixos e indisciplinados, seus shortinhos curtos mostrando o rabo e suas maquiagens que mais parecem putas, seus filhos transando com menininhas menores de idade dentro de casa, filhas dançando funk quase esfregando a vagina no chão. Que pai ou mãe tem moral pra cobrar algo um do outro quando da parte de um permite seus filhos fazer o que querem? Pai ausente? Casais separados não se educam mais filhos? Não, filhos viraram objetos para atingir seu ex!
Será que não se dão conta que estão satisfazendo seus egos e prejudicando seus filhos? Claro que muitas crianças possuem sua própria característica e personalidade, mas não vamos descartar a ideia de certas atitudes dos pais podem vim atrapalhar a vida de seus filhos um dia! Triste ainda são os bastidores ignorantes, gostando de ver o circo pegar fogo, achando bonito e incentivando.
Será que não percebem que estão despertando nos filhos revoltas contra os pais, sem fundamento e justificativa sensata?
É lindo aplaudir certas rebeldia dos seus filhos só por que eles compartilham a sua mesma opinião alienada? 
 ...

Em 15/07/2009 foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 4.053/2008 que trata sobre a Síndrome da Alienação Parental. A SAP, como é conhecida, é um termo proposto por Richard Gardner em 1985 para descrever a campanha em que a mãe ou o pai da criança a induz para romper os laços afetivos com o outro genitor.
Os casos mais frequentes da Síndrome da Alienação Parental estão associados a situações onde a ruptura da vida conjugal gera em um dos genitores, uma tendência vingativa muito grande contra o outro. Quando aquele não consegue elaborar adequadamente o luto da separação, desencadeia um processo de destruição, vingança, desmoralização e descrédito contra este. Neste processo vingativo, o filho é utilizado como instrumento da agressividade direcionada ao parceiro.
Essa Síndrome é uma forma de abuso emocional, que pode causar à criança distúrbios psicológico, tais como: depressão crônica; transtornos de identidade e de imagem; desespero; sentimento incontrolável de culpa; sentimento de isolamento; comportamento hostil; falta de organização e dupla personalidade, para o resto de suas vidas.
Conforme o Projeto de Lei, a Alienação Parental tem que ser reprimida pelo Estado, pois é forma de abuso no exercício do poder familiar e de desrespeito aos direitos da personalidade da criança em formação. Envolve claramente questão de interesse público, ante a necessidade de exigir uma paternidade e uma maternidade responsáveis, compromissadas com as imposições constitucionais, bem como com o dever de resguardar a higidez mental das crianças envolvidas.
Consideram-se formar de alienação parental a realização de campanha de:

A – desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;

B – dificultar o exercício do poder familiar;

C – dificultar o contato da criança com o outro genitor;

D - dificultar o exercício do direito regulamentado de visita;

E - omitir deliberadamente informações pessoais relevantes sobre a criança ao outro genitor;

F - apresentar falsa denuncia contra o outro genitor;

G - mudança de domicílio para locais distantes sem justificativa visando com isso dificultar a convivência do outro genitor.


4 de abr de 2013

Meu mundo sou eu... Um universo só meu...



Hoje olhei para o céu (raramente faço isso), e vi poucas estrelas brilhar... Meu falecido avô em sua peculiar sábia filosofia dizia que céu sem estelas é sinal de chuva... E na manhã seguinte o dia amanhecia chuvoso (isso acontecia no sertão da Bahia onde ele nem se quer sabia o que era poluição)... Para os poetas e apaixonados o céu estrelado serve como inspiração... Mas o céu hoje pra mim é só mais um céu... De poucas estrelas sem nenhum significado.
Hoje o céu é apenas um questionamento: em que “universo” eu vivo afinal?!
Criei um universo só meu ou ele já existia? Se o universo é meu por que as minhas estrelas não brilham? E quando brilham, por qual motivo? Não me lembro de ter ascendido à luz... Talvez sim, poderia tê-la apagado e nem percebi.
Em meio a outras pessoas me senti sozinha, por que talvez em breve instantes eu percebesse que em segundos não falávamos mais a mesma língua... Seres da mesma espécie, mas diferentes: Sentimentos, dores, frustrações, cores, água, vinho... Sabores, dessabores... Amores e desamores.
Estranha agonia... Minha agonia me deu medo... E ninguém mais ali percebeu...

Será que tem um lugarzinho pra mim no céu? Não sou estrela, nem planeta, mas busco um lugar nesta vastidão... Jaz que solitária aqui estou... Sozinha por que sou única... Sou eu... Não há outra igual a mim... Sozinha porque o que eu sinto, sinto só... O que eu penso, penso só... E acredito ser a única que me aceito do jeito que eu sou afinal me encontro, me desencontro, me condeno, me absolvo, aprendo e desaprendo... E com tudo me aceito...

Senhor céu, tem um lugarzinho ai pra mim? Quem sabe ai do alto, alguém em uma noite como essa ao olhar-te, me veja em meio essas poucas estrelas que brilham...
Céu... Céu... Tem um lugarzinho ai pra mim?
Quem sabe em meio a uma poesia triste, um poeta olhe pra ti, e por sorte ele me veja e me recite em suas poesias... Ou quem sabe um casal apaixonado me veja, e eu me transforme em uma estrela cadente e lhes inspire que seja em uma simples ilusão de um pedido... Que eu não seja uma estrela, mas um planeta que abrigasse o pequeno príncipe onde todos os dias ele regue uma pequena flor... Que eu fosse apenas um satélite até que um dia se perca da NASA e se transforme em apenas um lixo espacial...  Poderia ser eu a lua com suas fases...
Seria o que os olhos vissem ou não, mas seria algo longe daqui...

17 de dez de 2012

Escolha ser feliz....




Dizem que não há como se perder enquanto existir as estrelas... Então me ponho a pensar o que eu faria em noites nubladas, ou em pleno deserto escaldante sem saber ler uma bússola, caso eu tivesse uma?!
E eis que a vida nos coloca em certas encruzilhadas... Acho que em um labirinto definiria melhor a situação... Qual a saída, que caminho seguir?
Cada um conhece seu mais intimo ser, mas seriam nós capazes de conhecer e compreender o do seu próximo? Sentimentos sejam eles de dores, revoltas, tristezas, alegrias... Cada um sente conforme a sua própria natureza... Não sei bem agir e viver “olho por olho, dente por dente”...
A vida bem que poderia vim com manual de instruções... Mas a vida é feita de aprovações, escolhas e descobertas. Na maioria das vezes passamos a vida tentando provar não sei o quê, pra não sei quem... Pra quê? Em troco do quê?
Tantos espaços na vida a serem preenchidos... Tanta pausa em que nos colocamos sem sentido, tanto tempo perdido...  A cada dia nos limitamos a dar um passo neste vasto mundo de sonhos reais... A cada dia deixamos de olhar para nós... E assim vamos virando páginas, narrando e escrevendo uma história que não é a nossa... E a nossa vida continuará passando em branco, narrada em versos igual uma quimera de um poeta triste...
Viver é um risco onde qualquer vacilo, passo em falso pode ser mortal aos nos colocarmos à beira do abismo devido as nossas péssimas escolhas... É um suicídio notável que poderá ser evitado se cairmos na real em tempo de mudar... Mudar a direção, mudar o rumo... Onde podemos também desviar o caminho com consciência e exatidão, porém ainda podemos cometer erros, nos achando donos da razão e da verdade... É a vida... É a nossa cegueira do egoísmo... É mais uma vez sermos estúpidos diante de nossas verdades onde queremos que sobressaia... E assim vamos aprendendo com a vida, com os outros, com o mundo ou com nós mesmo ou não aprendemos absolutamente nada...
A vida é uma lição, uma aprovação... Cabe a nós aprender com ela... E não se culpar onde não temos culpa... E não nos sentirmos obrigados a carregar fardos que não são nossos...
Nossas escolhas são simples: você pode escolher entre amar ou odiar, ser feliz ou infeliz, viver a vida ou apagar-se dela, permitir-se estar bem ou simplesmente entregar-se ao descontentamento causado por nossos problemas...
Por que chorar, se temos motivos para sorrir?
O caminho? Se agires com amor, paz, consciência, paciência, discernimento, conseguiremos achar a melhor saída... E assim traçaremos a nossa história de maneira bem mais feliz!
Acredite mais em você! Tenha fé e confiança em si mesmo!
Às vezes queremos tanto uma coisa, vamos buscando, lutando, esperando acontecer, mas cada vez mais se torna difícil, complicado, quase que impossível, mas de repente nesse meio tempo vão surgindo outras coisas, outros caminhos que, claro não supri totalmente aquilo que queríamos, mas preenche vazios, nos faz olhar para frente, e aquilo que tanto queríamos já não passa mais ser prioridade, nem necessidade, simplesmente vamos deixando de querer ao descobrir que para ser feliz não há nada de impossível, nem complicado, nem difícil... Basta nos permitirmos... É fato: Quando vivemos algo aonde chega uma hora que começa a nos fazer mal, buscamos outro meio de nos sentirmos bem... É importante dar sentido a vida, termos perspectiva... E ir a luta... Quanto ao que tanto queríamos e não conseguimos? Ah! Nada é insubstituível... Dias melhores virão, cabe a nós saber aproveitar as oportunidades que nos chega... Se lhe falta aqui, encontrara em outro lugar.
É preciso saber viver... De certo que, não é fácil segurar nossa fúria em momentos na vida, onde ferem nosso orgulho, nossos sentimentos, e assim acabamos por agir de maneira impensada... Tem uma frase de François Marie Arouet, mais conhecido como Voltaire, Conhecido pela sua perspicácia e espiritualidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa que diz: "O amor-próprio é um balão cheio de vento, do qual saem tempestades quando o picam", isso é real de fato, mas lembre-se que não se vence o mal com o mal...
Viva bem plante o amor, o perdão, busque a paz em seu coração... Abstraia todo o mal... Ame, mas comece primeiro por você.
Escolha ser feliz... 

30 de mar de 2014

Os impostores e seus títulos.


Não gosto de pessoas oportunistas, as que tentam nos engabelar e, demonstram o que na verdade nunca foram; entretanto, ocultam uma realidade bem diferente. Não gosto de pessoas que se auto-intitulam, não dou a mínima importância aos títulos. O que conta e soma para mim, é o caráter. Prefiro um relacionamento seja ele de amizade, afetivo ou profissional, baseado na sinceridade. Não dou valor aos rótulos, prefiro viver uma dura realidade, que a doce ilusão de uma farsa. Não sou exigente, sou gente e, desejo assim ser tratada, com respeito e dignidade. Sou leal, humana, compreensiva e muito gentil, mas não suporto e, repugno a hipocrisia. Os rótulos enfeitam as embalagens, todavia não condizem ao conteúdo, com as pessoas ocorre o mesmo. Prefiro viver a intensidade de um relacionamento sem ostentação e mentiras, que uma presunção infundada. Mais me vale a qualidade mesmo que pouca, que a quantidade sem serventia.

(Cristina Deutsch)

10 de abr de 2013

Tudo passa...



“És precária e veloz, Felicidade. Custa a vir, e quando vens, não te demoras. Foste tu que ensinaste aos homens que havia tempo, e para te medir, se inventaram as horas.
Felicidade és coisa estranha e dolorosa:
Fizeste para sempre a vida ficar triste.
Porque um dia se vê que as horas todas passam e um tempo despovoado e profundo persiste"
(Cecília Meireles)



Felicidade é algo que dá e passa...
Ninguém é feliz por 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 48 segundos aproximadamente.
Posso esta explodindo de felicidade e receber uma noticia desagradável no momento, e tudo parecer desabar...
Vivemos de momento, fases alegres, tristes, felizes... Mas jamais infelizes, por que não existem razões para sermos infelizes, o que acontece é que a vida é bela como uma rosa, mas também tem lá seus espinhos. Tristeza, dor, angustia, também passa... Tudo na vida passa... Temos que nos acostumar e não fazer dos problemas o fim de tudo...
Se encontrar uma razão para estar triste, procure outra para estar feliz, e assim vamos vencendo as dificuldades... Não podemos nos deixar abater pelos declínios da vida... Difícil, não é mesmo? Mas o segredo está na dificuldade, sem dificuldade não há superação, mas para que aja superação temos que nos nutrir de coragem e amor próprio... Temos que querer, nos permitir...
Ao em vez de propagar aos quatro ventos que sua vida é uma “merda”, procure entender e saber o porquê de esta passando por determinada situação, comece por se questionar:

  •  Por que minha vida esta assim?
  •   Até que ponto eu fui responsável por isso?
  •  O que devo fazer para mudar essa situação?
  • Se eu sou o responsável o que preciso fazer?
  • E o que devo fazer para que eu me sinta melhor, e supere tudo isso e possa prosseguir daqui pra frente?
Shakespeare disse em sua sabia filosofia: “Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.”
Faça um curativo em suas feridas, que a dor vai passar...

8 de abr de 2013

Alienação Parental



Há quem diga que vivemos em uma nova era, mas em uma era irracional e insensata...
Eu não sou um bom exemplo para “seu ninguém”, mas conheço pessoas que são e foram ótimos exemplos para mim... O que me tornei de ruim hoje não foi em base da minha criação, meus pais sempre me ensinaram os valores da vida, os princípios, respeito.
Sou filha de pais separados, e desde criança isso nunca afetou meu desenvolvimento moral e social, meus pais sempre se respeitavam e me respeitavam dando para mim uma estrutura familiar com ética. Hoje o que vemos na maioria das vezes são mães falando mal do pai para seus filhos e assim vice versa... Um transtorno moral e psíquico... Suas frustrações, ira, descontentamento sendo despejado nos filhos sem nenhum pudor... Um verdadeiro incentivo de falta de caráter e personalidade, fazendo com que os mesmo passem a sentir o que eles sentem, vendendo uma imagem errônea devido ao fato de seu casamento não ter dado certo.
Suas diferenças e desacordos deveriam ser resolvidos entre eles, mas na maioria das vezes isso não acontece. Então colocar os filhos contra o pai ou a mãe parece louvável as sua vingança. Dá-se por vencidos quando os filhos acatam suas opiniões absurdas, e ainda comemoram como se o incentivo fossem eles terem passados no vestibular: Um frevo da imoralidade infantil e irresponsável.
E o que dizer de pais que não educam filhos, mas sim os compram? Compram dando-lhes do bom e do melhor sem mostra-lhes o verdadeiro valor de se conquistar algo, aplaudem seus comportamentos vulgar, baixos e indisciplinados, seus shortinhos curtos mostrando o rabo e suas maquiagens que mais parecem putas, seus filhos transando com menininhas menores de idade dentro de casa, filhas dançando funk quase esfregando a vagina no chão. Que pai ou mãe tem moral pra cobrar algo um do outro quando da parte de um permite seus filhos fazer o que querem? Pai ausente? Casais separados não se educam mais filhos? Não, filhos viraram objetos para atingir seu ex!
Será que não se dão conta que estão satisfazendo seus egos e prejudicando seus filhos? Claro que muitas crianças possuem sua própria característica e personalidade, mas não vamos descartar a ideia de certas atitudes dos pais podem vim atrapalhar a vida de seus filhos um dia! Triste ainda são os bastidores ignorantes, gostando de ver o circo pegar fogo, achando bonito e incentivando.
Será que não percebem que estão despertando nos filhos revoltas contra os pais, sem fundamento e justificativa sensata?
É lindo aplaudir certas rebeldia dos seus filhos só por que eles compartilham a sua mesma opinião alienada? 
 ...

Em 15/07/2009 foi aprovado pela Comissão de Seguridade Social da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 4.053/2008 que trata sobre a Síndrome da Alienação Parental. A SAP, como é conhecida, é um termo proposto por Richard Gardner em 1985 para descrever a campanha em que a mãe ou o pai da criança a induz para romper os laços afetivos com o outro genitor.
Os casos mais frequentes da Síndrome da Alienação Parental estão associados a situações onde a ruptura da vida conjugal gera em um dos genitores, uma tendência vingativa muito grande contra o outro. Quando aquele não consegue elaborar adequadamente o luto da separação, desencadeia um processo de destruição, vingança, desmoralização e descrédito contra este. Neste processo vingativo, o filho é utilizado como instrumento da agressividade direcionada ao parceiro.
Essa Síndrome é uma forma de abuso emocional, que pode causar à criança distúrbios psicológico, tais como: depressão crônica; transtornos de identidade e de imagem; desespero; sentimento incontrolável de culpa; sentimento de isolamento; comportamento hostil; falta de organização e dupla personalidade, para o resto de suas vidas.
Conforme o Projeto de Lei, a Alienação Parental tem que ser reprimida pelo Estado, pois é forma de abuso no exercício do poder familiar e de desrespeito aos direitos da personalidade da criança em formação. Envolve claramente questão de interesse público, ante a necessidade de exigir uma paternidade e uma maternidade responsáveis, compromissadas com as imposições constitucionais, bem como com o dever de resguardar a higidez mental das crianças envolvidas.
Consideram-se formar de alienação parental a realização de campanha de:

A – desqualificação da conduta do genitor no exercício da paternidade ou maternidade;

B – dificultar o exercício do poder familiar;

C – dificultar o contato da criança com o outro genitor;

D - dificultar o exercício do direito regulamentado de visita;

E - omitir deliberadamente informações pessoais relevantes sobre a criança ao outro genitor;

F - apresentar falsa denuncia contra o outro genitor;

G - mudança de domicílio para locais distantes sem justificativa visando com isso dificultar a convivência do outro genitor.


4 de abr de 2013

Meu mundo sou eu... Um universo só meu...



Hoje olhei para o céu (raramente faço isso), e vi poucas estrelas brilhar... Meu falecido avô em sua peculiar sábia filosofia dizia que céu sem estelas é sinal de chuva... E na manhã seguinte o dia amanhecia chuvoso (isso acontecia no sertão da Bahia onde ele nem se quer sabia o que era poluição)... Para os poetas e apaixonados o céu estrelado serve como inspiração... Mas o céu hoje pra mim é só mais um céu... De poucas estrelas sem nenhum significado.
Hoje o céu é apenas um questionamento: em que “universo” eu vivo afinal?!
Criei um universo só meu ou ele já existia? Se o universo é meu por que as minhas estrelas não brilham? E quando brilham, por qual motivo? Não me lembro de ter ascendido à luz... Talvez sim, poderia tê-la apagado e nem percebi.
Em meio a outras pessoas me senti sozinha, por que talvez em breve instantes eu percebesse que em segundos não falávamos mais a mesma língua... Seres da mesma espécie, mas diferentes: Sentimentos, dores, frustrações, cores, água, vinho... Sabores, dessabores... Amores e desamores.
Estranha agonia... Minha agonia me deu medo... E ninguém mais ali percebeu...

Será que tem um lugarzinho pra mim no céu? Não sou estrela, nem planeta, mas busco um lugar nesta vastidão... Jaz que solitária aqui estou... Sozinha por que sou única... Sou eu... Não há outra igual a mim... Sozinha porque o que eu sinto, sinto só... O que eu penso, penso só... E acredito ser a única que me aceito do jeito que eu sou afinal me encontro, me desencontro, me condeno, me absolvo, aprendo e desaprendo... E com tudo me aceito...

Senhor céu, tem um lugarzinho ai pra mim? Quem sabe ai do alto, alguém em uma noite como essa ao olhar-te, me veja em meio essas poucas estrelas que brilham...
Céu... Céu... Tem um lugarzinho ai pra mim?
Quem sabe em meio a uma poesia triste, um poeta olhe pra ti, e por sorte ele me veja e me recite em suas poesias... Ou quem sabe um casal apaixonado me veja, e eu me transforme em uma estrela cadente e lhes inspire que seja em uma simples ilusão de um pedido... Que eu não seja uma estrela, mas um planeta que abrigasse o pequeno príncipe onde todos os dias ele regue uma pequena flor... Que eu fosse apenas um satélite até que um dia se perca da NASA e se transforme em apenas um lixo espacial...  Poderia ser eu a lua com suas fases...
Seria o que os olhos vissem ou não, mas seria algo longe daqui...

17 de dez de 2012

Escolha ser feliz....




Dizem que não há como se perder enquanto existir as estrelas... Então me ponho a pensar o que eu faria em noites nubladas, ou em pleno deserto escaldante sem saber ler uma bússola, caso eu tivesse uma?!
E eis que a vida nos coloca em certas encruzilhadas... Acho que em um labirinto definiria melhor a situação... Qual a saída, que caminho seguir?
Cada um conhece seu mais intimo ser, mas seriam nós capazes de conhecer e compreender o do seu próximo? Sentimentos sejam eles de dores, revoltas, tristezas, alegrias... Cada um sente conforme a sua própria natureza... Não sei bem agir e viver “olho por olho, dente por dente”...
A vida bem que poderia vim com manual de instruções... Mas a vida é feita de aprovações, escolhas e descobertas. Na maioria das vezes passamos a vida tentando provar não sei o quê, pra não sei quem... Pra quê? Em troco do quê?
Tantos espaços na vida a serem preenchidos... Tanta pausa em que nos colocamos sem sentido, tanto tempo perdido...  A cada dia nos limitamos a dar um passo neste vasto mundo de sonhos reais... A cada dia deixamos de olhar para nós... E assim vamos virando páginas, narrando e escrevendo uma história que não é a nossa... E a nossa vida continuará passando em branco, narrada em versos igual uma quimera de um poeta triste...
Viver é um risco onde qualquer vacilo, passo em falso pode ser mortal aos nos colocarmos à beira do abismo devido as nossas péssimas escolhas... É um suicídio notável que poderá ser evitado se cairmos na real em tempo de mudar... Mudar a direção, mudar o rumo... Onde podemos também desviar o caminho com consciência e exatidão, porém ainda podemos cometer erros, nos achando donos da razão e da verdade... É a vida... É a nossa cegueira do egoísmo... É mais uma vez sermos estúpidos diante de nossas verdades onde queremos que sobressaia... E assim vamos aprendendo com a vida, com os outros, com o mundo ou com nós mesmo ou não aprendemos absolutamente nada...
A vida é uma lição, uma aprovação... Cabe a nós aprender com ela... E não se culpar onde não temos culpa... E não nos sentirmos obrigados a carregar fardos que não são nossos...
Nossas escolhas são simples: você pode escolher entre amar ou odiar, ser feliz ou infeliz, viver a vida ou apagar-se dela, permitir-se estar bem ou simplesmente entregar-se ao descontentamento causado por nossos problemas...
Por que chorar, se temos motivos para sorrir?
O caminho? Se agires com amor, paz, consciência, paciência, discernimento, conseguiremos achar a melhor saída... E assim traçaremos a nossa história de maneira bem mais feliz!
Acredite mais em você! Tenha fé e confiança em si mesmo!
Às vezes queremos tanto uma coisa, vamos buscando, lutando, esperando acontecer, mas cada vez mais se torna difícil, complicado, quase que impossível, mas de repente nesse meio tempo vão surgindo outras coisas, outros caminhos que, claro não supri totalmente aquilo que queríamos, mas preenche vazios, nos faz olhar para frente, e aquilo que tanto queríamos já não passa mais ser prioridade, nem necessidade, simplesmente vamos deixando de querer ao descobrir que para ser feliz não há nada de impossível, nem complicado, nem difícil... Basta nos permitirmos... É fato: Quando vivemos algo aonde chega uma hora que começa a nos fazer mal, buscamos outro meio de nos sentirmos bem... É importante dar sentido a vida, termos perspectiva... E ir a luta... Quanto ao que tanto queríamos e não conseguimos? Ah! Nada é insubstituível... Dias melhores virão, cabe a nós saber aproveitar as oportunidades que nos chega... Se lhe falta aqui, encontrara em outro lugar.
É preciso saber viver... De certo que, não é fácil segurar nossa fúria em momentos na vida, onde ferem nosso orgulho, nossos sentimentos, e assim acabamos por agir de maneira impensada... Tem uma frase de François Marie Arouet, mais conhecido como Voltaire, Conhecido pela sua perspicácia e espiritualidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa que diz: "O amor-próprio é um balão cheio de vento, do qual saem tempestades quando o picam", isso é real de fato, mas lembre-se que não se vence o mal com o mal...
Viva bem plante o amor, o perdão, busque a paz em seu coração... Abstraia todo o mal... Ame, mas comece primeiro por você.
Escolha ser feliz...